quarta-feira, 30 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA – 31


VISTA ASSIM DE LONGE, A COPA DO MUNDO ATÉ PARECE NORMAL, MAS...


1. Arbitragem. Até que começaram bem os árbitros da Copa. Pareciam preparados. Cometeram poucos erros nos primeiros jogos. Mas... foi só no começao, porque depois a coisa desandou. Bola dentro do gol, que todo mundo viu, menos os árbitros; impedimentos escandalosos, com gol validado; complacência com a violência de alguns jogadores; enfim... não é desta vez que teremos uma Copa isenta de lambanças de árbitros.

(Olha aí o Tévez impedido, marcando gol)


2. Piores jogos. Sem dúvida, Holanda e Eslováquia, em primeiro: foi o jogo do vem, que eu vou e não vou porque ele vem, ou seja, ninguém jogou nada; em segundo, Paraguai e Japão, no jogo do muito esforço por nada: correram atrás da bola por cento e vinte torturantes minutos, para decidir nos pênaltis qual o menos pior, que, desgraçadamente, continua na copa: o Paraguai. Enquanto isso, em Assunção, os paraguaios acreditam que vão ganhar o título, como acreditam que fabricam o melhor uísque do mundo. Têm até a musa da Copa - que é melhor do que a Seleção e, espera-se, não seja falsificada como o uísque.


(Larissa Riquelme...)


3. Grandes promessas, grandes decepções. Sem dúvida, Cristiano Ronaldo, de Portugal, e Rooney, da Inglaterra (que saiu da Copa sem um só gol!!!), protagonizaram o mico da Copa. O portuguesinho realmente jogou bem só no replay, como disse Casagrande, em comentário para a televisão Globo. Porque ao vivo, só deu vexame. Vejam onde está e o tamanho do futebol dele:



4. El pibe de oro. Outro que está na marca do pênalti: Messi. Não fez um só gol até agora, e só joga pelos olhos do Maradona, a quem, aliás, deu de presente um helicóptero de mais de cinco milhões de dólares. Um estranho caso de amor...




5. Grandes vexames. Sem dúvida, a França merece o troféu de trapalhada do ano: não jogar nada e ainda trouxe a público divergências e brigas internas, até com a expulsão de um de seus melhores jogadores, o Anelka, e a intromissão do Sarkosy na encrenca futebolística. Pelada por pelada, da França, só se salva, mesmo, a Carla Bruni:


(No vestiário?)


6. Abacaxi. A Inglaterra leva o troféu abacaxi: sai da Copa com um baile da Alemanha. O Capello, italiano que treinou os ingleses, proibiu os jogadores de fazer a famosa jogada do chuveirinho. Conclusão: os ingleses esqueceram o chuveirinho e não aprenderam a fazer outra coisa. Olha o treino do English Team:



7. Outro abacaxi. Itália. Ah, a Itália! Eliminados pelos eslovacos, pelos eslovacos, pelos eslovacos... Pelos eslovacos? Pois, é: pelos eslovacos!




8. Parreira africana. E a África do Sul, sob o comando do Parreira, fica com o terceiro lugar na lista dos times que deviam ser protagonistas e só foram coadjuvantes. O que o Parreira pediu para os sul-africanos antes de chutar um cachorro morto, a França: um só, um só!




9. A Jabulani. A bola da Copa, a mais perfeita esfera que já rolou nos campos de futebol, foi maltratada pela língua dos jogadores, que reclamaram muito de sua instabilidade, de seu jeito “fantasmagórico” de subir demais, de variar sua trajetória, e também pelos pés de muitos pernas de pau que tentaram dominá-la. Até agora, o show foi dela, da Jabulani, leve e lisa. Eu proponho, para a Copa de 2014, no Brasil, seja trocada pela Jabuti – pesada e cascuda!


(A Jabulani só gostou da Charlize Theron)


10. A trave. Foi outra sensação desta Copa.Acho que nunca vi tanta bola no travessão e nas traves! Boa, muito boa a pontaria dos artilheiros desse mundial. Por que será que é mais fácil acertar nos trinta centímetros de madeira do que nos nove metros e tantos do gol?



11. Caneladas e furadas. Poucas as seleções que se salvaram de ter jogadores apanhando da Jabulani: até o nosso Luís Fabiano, o Fabuloso, tropeçou na bola ao tentar um toque de calcanhar e passou vexame. Mas no quesito pé na canela, ou canelada, ou seja, abaixo da medalhinha pode, fica o troféu com os jogadores africandos, para variar, principalmente os da Costa do Marfim. Portugueses também têm um honroso lugar no time dos que batem, com um tal de Pepe, que não é nada legal.



12. Caras, bocas e caretas. Sem dúvida, Maradona leva todas as honrarias de técnico que é a delícia das televisões, dos fotógrafos e... dos humoristas! É um show à parte, durante os jogos da Argentina. Aliás, às vezes, preferia ficar assistindo ao Maradona...




13. Fashion. Dunga! Dunga! Dunga! E não tem pra ninguém.

terça-feira, 29 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA – 30


JOGOS DAS QUARTAS DE FINAL


02/07
(sexta-feira)


11h: HOLANDA X BRASIL

15h: URUGUAI X GANA


03/7

(sábado)

11h: ARGENTINA X ALEMANHA


15h: PARAGUAI X ESPANHA

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA – 29


Décimo nono dia: 29/6/2010 – OITAVAS DE FINAL:


ESPANHA 1x0 PORTUGAL



A Espanha começa arrasadora, com vários chutes a gol, todos de fora da área. Portugal demora um pouco a acordar e tenta dar algum susto. Mas fica nisso, no susto: seu ataque não funciona, pois o seu principal jogador, Cristiano Ronaldo, está totalmente apagado. Enquanto isso, os espanhóis ensaiam seu toque refinado de bola e aí está seu principal problema: tocam a bola, mas não entram na área. Fazem a fama do goleiro português, que tem algum trabalho, mas consegue defender todas. Segundo tempo: Portugal começa mais no ataque e dá mais alguns sustos na defesa espanhola. No entanto, a partir dos quinze minutos, a Espanha toma conta do jogo e, afinal, consegue entrar na área portuguesa. Villa recebe (impedido) um toque de calcanhar e chuta duas vezes para fazer o gol da vitória. Espanha nas oitavas, com algum mérito, já que a Suíça (de quem perdeu) foi embora, mas deixou sua defesa jogando com a camisa de Portugal: como foi difícil fazer um único gol nesse time!

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA – 28


Décimo nono dia: 29/6/2010 – OITAVAS DE FINAL:



PARAGUAI 0x0 JAPÃO



Muita correria, como sempre, por parte do Japão. Mas é o Paraguai que detém a posse de bola. No entanto, nada, absolutamente nada acontece nos dois tempos normais da partida, que termina empatada por zero a zero. Poucas oportunidades de gol, desperdiçadas por ambas as seleções, por predominância dos sistemas defensivos e por incompetência dos atacantes.



Prorrogação. As duas equipes partem para o jogo de abafa, tentando o gol. O Paraguai, mais uma vez, parece mais disposto a marcar, mas falha diante da sólida defesa do Japão. Mais uma vez, nada acontece que possa mudar o destino de empate por zero a zero de um jogo que só não foi o pior das oitavas, porque houve empenho de ambas as seleções, embora faltasse competência ofensiva, e porque foi um jogo movimentado no meio de campo, com muita correria e pouca objetividade.



Cobranças de lances livres a partir da marca do pênalti: o Japão perde uma cobrança e fica fora das quartas de final.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA – 27

Décimo oitavo dia: 28/6/2010 – OITAVAS DE FINAL:





BRASIL 3X0 CHILE


Um jogo bem disputado. O Chile não se retrancou, jogou no ataque, mas não chegou a ameaçar o gol brasileiro. O Brasil teve o controle da partida e marcou os gols necessários para vencer. Sem precisar se expor muito. Juan, de cabeça, abriu o placar em cobrança de escanteio e Luís Fabiano, numa jogada de ataque iniciada por Robinho com um belo toque de Kaká, driblou o goleiro, para fazer mais uma belo gol ainda no primeiro tempo. No segundo, Robinho, enfim, fez o seu e o Brasil está nas oitavas de final, sem ter sido uma seleção brilhante, mas extremamente eficiente.

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA – 26


Décimo oitavo dia: 28/6/2010 – OITAVAS DE FINAL:



HOLANDA 2x1 ESLOVÁQUIA



Primeiro tempo transcorre sem grandes jogadas ou emoções. Um ou outro chute de longa distância de ambos os times. Jogo morno. Nada acontece. Aos dezoito minutos, no entanto, num contra-ataque, Robben, da Holanda, recebe entre três zagueiros, que se atrapalham, corre, corta para dentro e, ainda de fora da grande área, chuta no canto esquerdo do goleiro. E só. Nada mais acontece até o apito do árbitro. Segundo tempo. A proposta da Holanda é o contra-ataque, mas a Eslováquia não tem nenhuma vocação para o ataque, com seu jogo burocrático. Mesmo assim, perde uma das pouquíssimas oportunidades de gol, aos vinte minutos. Aos trinta e oito, numa falta no meio de campo, em vez de marcar a jogada, os eslovacos preferiram ficar reclamando. Os holandeses cobram rápido e, na saída desastrada do goleiro, fazem dois a um. Ainda bem, pois, se continuasse assim, numa jogada fortuita, a Eslováquia poderia empatar e ninguém merecia assistir a uma prorrogação. Aos quarenta e sete minutos, pênalti para a Eslováquia. Gol e final da pior partida das oitavas até agora. Holanda classificada.

domingo, 27 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA – 24

Décimo sétimo dia: 27/6/2010 – OITAVAS DE FINAL:



ARGENTINA 3x1 MÉXICO

Primeiro tempo. Jogo equilibrado. Oportunidades de gol para ambos os lados, mas é o México que parece mais bem plantado no campo, colocando uma bola na trave argentina, em chute de longa distância. De repente, duas lambanças seguidas: gol da Argentina, com o Tévez impedido, talvez uns dois metros à frente, é validado pela arbitragem. Logo depois, Osorio, zagueiro mexicano entrega a bola nos pés de Iguaín, bem na entrada da área. Sozinho, o argentino faz dois a zero. Segundo tempo. Jogo, de novo equilibrado, mas Tévez faz um golaço, aos sete minutos, praticamente liquidando as pretensões mexicanas. O México sufoca a Argentina por algum tempo, faz um gol, mas não tem forças para reagir. E os argentinos, com mérito, classificamse para as quartas de final.




Arbitragem. Lambança, pura lambança da arbitragem, a validação do primeiro gol argentino: quando Tévez recebe a bola, está pelo menos dois metros à frente do último mexicano. A arbitragem só não viu porque não quis.

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA – 23

Décimo sétimo dia: 27/6/2010 – OITAVAS DE FINAL:




ALEMANHA 4x1 INGLATERRA


A Inglaterra jogou melhor que nos últimos jogos. Mas, a seleção alemã voltou a tocar bem a bola e terminou o primeiro tempo com dois a um no placar. Poderia o primeiro tempo ter terminado dois a dois, porém a arbitragem não viu um gol legítimo da Inglaterra, quando a bola ultrapassou a linha em trinta e três centímetros. No segundo tempo, voltaram melhor os ingleses que, parecia, iram complicar o jogo. No entanto, com dois contra-ataques fulminantes, a Alemanha manda para a casa o english team, treinado por um italiano, o Fabio Capello, que não conseguiu dar novo padrão de jogo aos ingleses, e ainda tirou deles a principal e centenária característica do chuveirinho na área. Segue a Alemanha, séria candidata à grande final.

Arbitragem. No jogo, todo mundo erra: jogadores, técnicos, árbitros, assistentes. É humano, claro. Já lambança é outra coisa: é tomar uma decisão errada num momento crítico, mudando a história de uma partida. O gol inglês só não pode ser considerado uma grande lambança, porque a Alemanha sobrou, mas que foi lambança, isso foi.

sábado, 26 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA – 22

Décimo sexto dia: 26/6/2010 – OITAVAS DE FINAL:



ESTADOS UNIDOS 1x2 GANA


Mais um bom jogo de oitavas de final. Primeiro tempo: joga melhor a seleção de Gana, que marca logo no início, aos cinco minutos, numa roubada de bola no círculo central e a finalização precisa de Prince Boateng. Mantém um certo domínio do jogo, até o final. Segundo tempo: joga melhor a seleção dos Estados Unidos. Aos dezessete minutos, pênalti a seu favor, que Donovan bate e empata. O jogo prossegue com muitas opções de ambas as partes, mas com certo predomínio americano até o final.

Prorrogação. Os Estados Unidos ameaçam sufocar Gana, mas logo no início, num lançamento longo da defesa, a bola cai no peito de Gyan, que mata, leva um tranco do zagueiro, que derrubaria qualquer outro jogador, mas ele se reequilibra e ganha impulsão para deixar a bola quicar à sua frente, olhar a colocação do goleiro e fuzilar alto, sem qualquer possibilidade de defesa. O jogo melhora e os Estados Unidos tenta empatar, Gana se defende e ameaça nos contra-ataques. E fica nisto: Gana classificada, com méritos.

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA – 21


Décimo sexto dia: 26/6/2010 – OITAVAS DE FINAL:


URUGUAI 2 x 1 COREIA DO SUL



Começaram bem as oitavas de final, com um belo e disputado jogo. No primeiro tempo, leve prevalência dos uruguaios, que fizeram um gol no começo, numa falha do goleiro coreano que deixou passar uma bola cruzada na área, sem perceber a entrada do centroavante pela direita. No segundo tempo, vinte minutos de sufoco levou a Seleção do Uruguai. A Coreia entrou disposta a empatar o jogo e conseguiu numa cabeçada a poucos metros do gol, sem chance para a defesa. E então, o jogo mudou de novo: os uruguaios, que mal conseguiam trocar dois passes, partiram de novo para o ataque e, aos trinta e seis minutos, numa sobra de bola, após cobrança de escanteio, Suárez voltou a marcar, num belo chute cruzado. E os coreanos ainda tiveram oportunidade de marcar: aos quarenta e dois, atacante chutou mascado, já próximo da pequena área, a bola passou sob o corpo do goleiro e entraria mansamente no gol, se o zagueiro Lugano não a tirasse. Paraguai nas quartas de final, com mérito.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA - 20


JOGOS DAS OITAVAS DE FINAL:

DIA 26/6/2010 (SÁBADO):


11h: URUGUAI X COREIA DO SUL
15h30: ESTADOS UNIDOS X GANA



DIA 27/6/2010 (DOMINGO):

11h: ALEMANHA X INGLATERRA
15h30:ARGENTINA X MÉXICO


DIA 28/6/2010 (SEGUNDA-FEIRA):


11h: HOLANDA X ESLOVÁQUIA
15h30: BRASIL X CHILE



DIA 29/6/2010 (TERÇA-FEIRA):


11h: PARAGUAI X JAPÃO
15h30: ESPANHA X PORTUGAL

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 19



Décimo quinto dia: 25/6/2010

Decisão do Grupo H:



CHILE 1x2 ESPANHA
SUÍÇA 0x0 HONDURAS


Classificados: Espanha e Chile.


O Chile começou melhor e parecia ter poder de fogo para encarar a Espanha e ganhar o jogo. Mas, sua defesa falhou demais nas saídas de bola, cometeu muitas faltas e ainda teve um jogador expulso. Com isso, dois a zero para a Espanha, no primeiro tempo. No começo do segundo, mesmo com dez jogadores, os chilenos tentaram alguma coisa nos primeiros minutos e conseguiram um gol. Mas os espanhóis equilibraram e passaram a tocar a bola, dominando as ações. Enquanto isso, a Suíça perdia gol atrás de gol contra Honduras, precisando marcar, pelo menos dois. Como isso não acontecia, a partir dos trinta minutos, espanhóis e chilenos resolveram fazer a vergonhosa aliança: ninguém joga, que assim está ótimo para ambos. E foi o que aconteceu. Ninguém fez mais nada. Nem Suíça contra Honduras, nem Espanha contra o Chile e vice-versa.

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 18

Décimo quinto dia: 25/6/2010



Decisão do Grupo G:



PORTUGAL 0x0 BRASIL
COREIA DO NORTE 0x3 COSTA DO MARFIM


Classificados: Brasil e Portugal.



Na verdade, o grupo já estava decidido, já que a Costa do Marfim só se classificaria se goleasse a Coreia por mais de cinco gols e o mesmo acontecesse com o Brasil diante de Portugal. Portanto, dois amistosos de luxo, na Copa da África. Ao Brasil, bastava o empate para ser o primeiro, e foi o que aconteceu. Portugal entrou para se defender, dando a posse de bola aos brasileiros, que tiveram poucas oportunidades de marcar: só uma bola na trave, do Nilmar. No segundo tempo, Portugal arriscou-se um pouco mais no ataque e deu algum trabalho à defesa brasileira, mas também não conseguiu nada. E o Brasil pouco fez no ataque. O destaque do jogo fica por conta da disposição dos dois times, principalmente no primeiro tempo, em fazer faltas violentas. Por pouco não houve expulsões em ambos os times, com claro prejuízo para os dois. Enquanto isso, Costa do Marfim resolveu tardiamente jogar bola, pelo menos no primeiro tempo, e venceu a Coreia do Norte por três a zero.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 17



Décimo quarto dia: 24/6/2010



Decisão do Grupo E:



DINAMARCA 1x3 JAPÃO
CAMARÕES 1x2 HOLANDA


Classificados: Holanda e Japão.



Camarões, já desclassificado, e Holanda, já classificada, só cumpriam tabela. Enquanto isso, ao Japão bastava um empate, para seguir adiante. O goleiro dinamarquês vai ter pesadelos orientais com a Jabulani: duas faltas de longa e média distância, dois a zero para o Japão. E ainda pegou pelo rabo um frango, numa outra falta cobrada do meio de campo, em que a bola resvalou em seus dedos e bateu na trave. Enquanto isso, a zaga japonesa vai ter dor de cabeça de tanto tirar bolas levantadas para os grandalhões europeus, que não tiveram a menor chance no jogo aéreo e só marcaram um gol num pênalti infantil da defesa japonesa. Final emocionante, não pelo jogo da Dinamarca, mas pelos contra-ataques nipônicos. Na jogada do terceiro gol, já no finalzinho do jogo, o atacante japonês deixou desnorteada a loira e burra defesa dinamarquesa, que sempre perdeu bolas bobas para os atacantes adversários. Enfim, Japão nas oitavas de final, com méritos.

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 16



Décimo quarto dia: 24/6/2010


Decisão do Grupo F:


ESLOVÁQUIA 3x2 ITÁLIA
PARAGUAI 0x0 NOVA ZELÂNDIA



Classificados: Paraguai e Eslováquia



Decepcionante a campanha da Itália, campeã do mundo: apenas dois empates. Mas ainda podia se classificar, se empatasse, por causa do resultado entre Paraguai e Nova Zelândia. Jogou um primeiro tempo apático, sofrível, errando muito na defesa e não acertando no ataque. Resultado: um a zero para esforçada e, às vezes, faltosa Eslováquia, num jogo sem muita emoção. Porque as emoções estavam guardadas para o segundo tempo. A partir dos quinze minutos, a Itália parecia uma fênix e, mesmo qualidade, partiu para o ataque e começou a encurralar o adversário. No entanto, quem marca é a Eslováquia. Com dois a zero, não restava alternativa: atacar e buscar o gol. Conseguiu. Com dois a um, o jogo pegou fogo. Aos quarenta e um minutos do segundo tempo, no entanto, a defesa bobeou de novo e, numa cobrança de lateral, Kopunek entrou sozinho na área e tocou para o terceiro gol eslovaco. Então, veio o sufoco: Quagliarella ainda marcou já nos descontos e o juiz levou o jogo até os cinquenta minutos de sofrimento para ambos os times, quando, aos quarenta e nove, a Itália ainda teve uma chance de empatar. Fim de jogo e fim de esperanças para os italianos, que voltam para casa após uma campanha abaixo da crítica. Enquanto isso, os paraguaios, depois de perderem vários gols, quase se viram surpreendidos pela Nova Zelândia, mas seguraram o resultado e se classificaram em primeiro lugar do grupo.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 15

Décimo terceiro dia: 23/6/2010



DECISÃO DO GRUPO D:



GANA 0x1 ALEMANHA
AUSTRÁLIA 2x1 SÉRVIA

Classificados: Alemanha e Gana.


Situação confusa neste grupo. Com um empate, Gana se garantia, sem depender de ninguém. Com um empate, a Sérvia tiraria a Alemanha, no caso de empate entre Gana e Alemanha. Num jogo cheio de alternativas, muito bom de se ver, os alemães foram ao ataque, mas os ganeses não intimidaram e perderam vários gols. Segundo tempo, quinze minutos, e a Alemanha marca. Enquanto isso, a zebra australiana passeava em campo, contra a Sérvia, que perdera vários gols e agora levava de dois a zero. Conseguiu fazer um gol, mas não foi suficiente e cedeu o lugar a Gana, que se classifica para jogar contra os Estados Unidos, enquanto Alemanha e Inglaterra deverão fazer o outro jogo das oitavas de final.

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 14

Décimo terceiro dia: 23/6/2010



DECISÃO DO GRUPO C


ESLOVÊNIA 0x1 INGLATERRA
ESTADOS UNIDOS 1x0 ARGÉLIA




Classificados: Estados Unidos e Inglaterra.



A Eslovênia precisava ganhar o jogo ou, pelo menos, empatar. Fez como a Grécia: renunciou ao ataque e não teve força no contra-ataque. No entanto, mesmo derrotada, podia classificar-se, desde que Estados Unidos e Nigéria continuassem empatando. Quando o árbitro apitou o fim do jogo, a Eslovênia julgava-se classificada, mas o castigo veio nesse exato momento: Estados Unidos fez um a zero. E o mau futebol esloveno teve o castigo merecido. A Inglaterra, afinal, mostrou um bom futebol, embora sem empolgar. Se continuar melhorando, pode até pensar em voos mais altos nesta Copa, mais pela tradição do que realmente pela bola que vinha e vem jogando. Já os americanos tiveram seu esforço recompensado, com o primeiro lugar do grupo. Talvez não tenham time para ganhar, mas podem sonhar com uma boa colocação.


terça-feira, 22 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 13


Décimo segundo dia: 22/6/2010



DECISÃO DO GRUPO B:


NIGÉRIA 2x2 COREIA DO SUL
GRÉCIA 0x2 ARGENTINA

Classificadas: Argentina e Coreia do Sul



Precisando ganhar o jogo contra a Argentina, a Grécia entrou em campo como se não estivesse jogando uma decisão de Copa do Mundo: com um futebol lento, defensivo e sonolento. Resultado: sem sete titulares, a Argentina tocou a bola como quis e fez os gols quando quis, ambos no final da partida. Um dos piores jogos até agora dessa fase da Copa. Enquanto isso, nigerianos e coreanos se esfalfavam para tentar alguma coisa a mais na Copa. E saiu-se melhor a Coreia, com o empate por dois a dois. Vai para a oitavas de final jogar contra o Urugai.

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 12


Décimo segundo dia: 22/6/2010

DECISÃO DO GRUPO A:


MÉXICO 0x1 URUGUAI
FRANÇA 1x2 ÁFRICA DO SUL



Classificados: Uruguai e México.


A África do Sul produz bons vinhos, mas não se sabe de nenhum caso em que “parreira” do Brasil tenha vicejado em seus campos. E não deu outra: precisando golear a França por, pelo menos 4 gols (e ainda torcer por uma vitória uruguaia, o que acabou acontecendo), a África do Sul só conseguiu fazer dois e tomou um. Aliás, para Mr. Parreira, dois a zero é goleada. Era um jogo que tinha tudo para ser emocionante, mas foi apenas morno. Uma África quase apática e uma França com todos os problemas de não ter um bom time, de estar mergulhada numa crise (Anelka xingou o treinador e foi mandado embora, discussões públicas entre jogadores e preparador físico, que também foi embora) que a levou a outro vexame em Copa do Mundo. Por outro lado, o Uruguai se classifica em primeiro lugar e deixa para o México a responsabilidade de enfrentar a Argentina (que deve se classificar em primeiro no grupo B).

segunda-feira, 21 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 11

Décimo primeiro dia: 21/6/2010



PORTUGAL 7x0 COREIA DO NORTE
CHILE 1x0 SUÍÇA
ESPANHA 2x0 HONDURAS



A Coreia do Norte teve o delírio de pensar que podia jogar de igual para igual com Portugal. E foi para a frente, conseguindo até mesmo dar a impressão de que conseguiria algum resultado. Não teve força ofensiva e ainda cometeu erros primários na defesa, que ficou desprotegida. Méritos para Portugal: enfiou sete gols, jogando com facilidade, com inteligência e força no ataque. E, finalmente, Cristiano Ronaldo desencantou: marcou seu primeiro gol na Copa, depois de um longo jejum de jogos pela seleção lusa (não fez nenhum durante as eliminatórias).

O jogo das montanhas: os Andes contra os Alpes. Como é difícil fazer gol na Suíça! É a seleção que mais tempo ficou sem tomar gols em jogos da Copa do Mundo. Com um jogador a menos desde a metade do primeiro tempo, defendeu-se com unhas, dentes e sorte do bombardeio chileno. Finalmente, o gol saiu, aos trinta minutos do segundo tempo. E, para desespero da seleção Chilena, que já havia perdido muitos gols, quase empatou no finalzinho do jogo. Enfim, a retranca suíça felizmente sucumbiu ao bom futebol dos chilenos. Os andinos ultrapassaram os Alpes suíços.

Honduras jogou contra a Espanha quase exatamente como a Coreia havia jogado contra Portugal, principalmente no segundo tempo: foi ao ataque, não fez nada, não chutou uma só bola no gol espanhol, propiciou inúmeros contra-ataques e cometeu erros primários de saída de bola na defesa. Nem isso ajudou a Espanha. Tinha feito um a zero no primeiro tempo e fez mais um golzinho no segundo, cansando-se de perder gols, inclusive um pênalti. Muito ruim essa Espanha, diante de uma Honduras que estava pedindo para ser goleada, como a Coreia. Faltou atitude, faltou capricho nas finalizações, faltou futebol.


P.S.: Mais uma arbitragem confusa, a do saudita Khalil Al Ghamdi: faltou pouco, muito pouco para uma lambança, no jogo do Chile com a Suíça, ao distribuir 9 cartões amarelos e um vermelho.

domingo, 20 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 10



Décimo dia: 20/6/2010


ESLOVÁQUIA 0x2 PARAGUAI
ITÁLIA 1x1 NOVA ZELÂNDIA
BRASIL 3X1 COSTA DO MARFIM


O Paraguai empatou com a Itália e jogou um futebol consistente contra a Eslováquia. E, inclusive, ousou, ao jogar com três atacantes, coisa rara nessa Copa de prevalência das defesas. Mesmo assim, sua defesa voltou a comportar-se bem, não dando grandes oportunidades ao time europeu. Vitória mais do que justa, o que credencia o time sul-americano a lutar por uma das vagas num grupo ainda indefinido.

A Nova Zelândia entrou em campo montada numa zebra, quando o árbitro validou o seu gol, logo no começo da partida, em claro impedimento do atacante. E depois, para corrigir o erro, marcou um pênalti a favor da Itália, que nenhum juiz tem marcado nesta Copa: puxão de zagueiro contra atacante dentro da área, em cobranças de falta ou escanteio. Enfim, a Itália deixou os zagueiros neozelandeses com dor de cabeça, de tantas bolas levantadas na área, principalmente através de 16 cobranças de escanteios. E continua jogando um futebol meia-boca, que nada lembra uma campeã do mundo. Como, no entanto, seu grupo está embolado, ainda tem chance de se classificar.

E a Costa do Marfim é isto: músculos, força e violência. Mais nada. Três a um não foi justo. Devia ter sido mais. Não teve dificuldades a Seleção Brasileira, a não ser com o juiz – muito ruim. Destaque para dois belos gols de Luís Fabiano. O segundo, uma mistura de Pelé da Copa de 58, com dois belos chapéus, e Maradona, com a ajudinha da “mão de deus” que o juiz não viu ou, se viu, ficou tão encantado com a jogada, que preferiu fazer que não viu. E Kaká, que lutou, tomou pancada e acabou expulso por uma estupidez não dele, que não fez nada, mas do juiz. Brasil classificado. Ponto final numa polêmica boba de que esta seleção ainda não convencera. Tem consistência o time do Dunga.

P.S.: Arbitragem: não chegou a ser uma lambança, mas o gol da Nova Zelândia foi irregular, assim como o pênalti a favor da Itália é um daqueles lances que quase sempre só a televisão registra e repete à exaustão, para análise de seus comentaristas. Mas foi lambança, no aspecto controle do jogo, o que fez o árbitro francês, ao expulsar o Kaká: porrada pode, mas reclamar, não! O nome da fera: monsieur Stephane Lannoy.

sábado, 19 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 9


Nono dia: 10/2010


HOLANDA 1x0 JAPÃO
GANA 1x1 AUSTRÁLIA
CAMARÕES 1x2 DINAMARCA



Era um jogo em que nada estava acontecendo e, pelo andar da partida, nada iria acontecer, esse Holanda e Japão. A equipe europeia mandava no jogo, com 70% de posse de bola, mas não entrava na área dos japoneses que, numa marcação forte, encurtava os espaços e, como sempre, corria mais do que a bola. De vez em quando, tentava uma estocada, mas nada que pusesse em risco a também cerrada marcação da Holanda. No começo do segundo tempo, arriscam-se um pouco mais ao ataque os holandeses e se dão bem: num chute de fora da área, o goleiro japonês faz uma bela ponte e joga para dentro do gol uma bola que seria de fácil defesa. Depois disso, algumas pouquíssimas oportunidades perdidas de lado a lado, sem grandes consequências e nada acontecendo voltou ao jogo. Resultado, Holanda vence a segunda partida, sem jogar o futebol brilhante da primeira etapa do primeiro jogo. Continua uma incógnita essa Holanda e continua veloz e ingênuo o futebol do Japão.

E então, entra em campo uma Austrália totalmente diferente daquela que se viu no primeiro jogo: encara Gana e parte para cima. E em mais uma falha de goleiro, faz um a zero, no rebote de uma cobrança de falta. Foram vinte minutos de domínio australiano. Mas, numa conclusão japonesa, quase à queima roupa, o número dez da Austrália evita o gol com a mão, é expulso e a boa cobrança de pênalti empata o jogo. Com um jogador a mais, esperava-se amplo domínio de Gana e uma vitória tranquila. Não foi isso o que se viu, no entanto. E, principalmente no segundo tempo, mesmo com bem maior posse de bola, quem se viu às vezes acuada e quase levando gol foi a seleção africana que perdeu, assim, a oportunidade de praticamente garantir sua classificação para a segunda fase. Um empate, no entanto, bastante movimentado, que provou que não há seleção “morta” nem se ganha jogo sem muita aplicação tática e postura de vencedor, o que faltou a Gana.

Um jogo aberto e bom de ver, o dos desesperados dinamarqueses e camaroneses. Quem perder está desclassificado. E a Dinamarca abusa na saída de bola e dá oportunidade a que Camarões marque, com E’too. Consegue, no entanto a virada, com um gol ainda no primeiro tempo, num lançamento de 55 metros da defesa para o ataque, num dos lances mais bonitos da Copa até agora, e outro gol no segundo tempo, aproveitando cochilo da defesa de Camarões, que joga em linha e facilita as coisas para o ataque dinamarquês. E aí baixou o desespero nos africanos, que perderam vários gols e vão mais cedo para casa.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 8

Oitavo dia: 18/6/2010



ALEMANHA 0x1 SÉRVIA
ESLOVÊNIA 2x2 ESTADOS UNIDOS
INGLATERRA 0x0 ARGÉLIA


E a leve, livre e solta – e também poderosa – Alemanha, decantada pela goleada no primeiro jogo e, principalmente, pelo toque de bola apresentado, desanda diante de uma Sérvia que marca muito bem e sai em terríveis contra-ataques. Um jogo de muitas emoções: primeiro, a expulsão do grandalhão Klose, da Alemanha, aos trinta seis minutos do primeiro tempo; em seguida, na cobrança da falta, ocorrida no círculo central, o ataque fulminante da Sérvia termina em gol; no segundo tempo, a Alemanha não parece ter um homem a menos e manda no jogo, mas perde seguidos gols com Podolski, que também perdeu um pênalti (uma besteira do zagueiro sérvio, colocando a mão na bola dentro da área), numa defesa espetacular do goleiro; e houve uma bola na trave da Sérvia e duas na da Alemanha. Enfim, Sérvia vencedora, para confirmar que, na Copa do Mundo, bobeou dançou. E cai mais uma favorita, que corre até o risco de não se classificar.

Mais um jogo emocionante: o empate por dois a dois entre Estados Unidos e Eslovênia. A seleção européia fecha o primeiro tempo com dois gols, primeiro, um golaço de fora da área de Birsa e o segundo, de Ljubijankic, num contra-ataque. Mas os americanos não desistem e correm atrás do empate no segundo tempo, primeiro com um gol sensacional de Donovan aos três minutos e de Bradley, mais adiante. Sofrendo, embora, com os contra-ataques da Eslovênia, o confuso mas batalhador escrete americano ainda marcou mais um gol no final, injustamente anulado pelo juiz. E assim, o empate ainda mantém as esperanças de classificação dos Estados Unidos.

E o English Team? Chegou como uma das forças da Copa. E, dois jogos depois, dois empates, sem mostrar absolutamente nada de futebol. O técnico – italiano! – da Inglaterra quis modificar o aquele velho jeito de jogar dos ingleses – velocidade pelos lados do campo, cruzamentos na área e muitos gols de cabeça – e caiu na piada do português que foi para Espanha e voltou mudo, porque não aprendeu espanhol e esqueceu o português. O English Team já não sabe o que fazer da bola. Enfim, um pouco de mérito para a Argélia, que tocou a bola, marcou bem, e chegou a dar uns pequenos sustos na defesa inglesa, sem, no entanto, nenhuma contundência. Se tivesse um bom ataque, teria vencido fácil o jogo.

P.S.: E os erros de arbitragem começam a acontecer: o juiz de Alemanha e Sérvia exagera nos cartões, mostrando um total de nove amarelos e um vermelho, em muitas jogadas em que isso não seria necessário, como na expulsão do centroavante alemão. Mas, lambança mesmo fez o senhor Koman Koulibaly, ao anular o gol legítimo dos Estados Unidos, interferindo, portanto, no resultado da partida.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 7

Sétimo dia: 17/6/2010




ARGENTINA 4 x 1 COREIA DO SUL
GRÉCIA 2 x 1 NIGÉRIA
FRANÇA 0 x 2 MÉXICO


Quando se esperava que a Coreia do Sul entrasse fechada, para tentar os contra-ataques, ela não se defendeu nem atacou. E ainda cometeu muitos erros primários – a começar por um gol contra, no início da partida – e, assim, facilitou a vida da Argentina, que tem, sim, bons jogadores, mas ainda não teve testada sua defesa nem seu sistema tático. Continuamos sem saber se a Argentina é realmente forte candidata à final, ou se esse time tem ou não consistência e força que o nível de seus atacantes parecem fazer crer, já que, apenas um dos gols argentinos foi marcado em jogada trabalhada pelo ataque, que continua perdendo muitas finalizações. Enfim, foi um bom jogo, mas de uma só seleção.

Nada como a necessidade de vencer, para que seleções defensivas assumam postura diferente. E nada como uma grande bobagem – a tentativa de agressão do nigeriano ao grego, fora de campo, ao aceitar uma provocação idiota – para que uma possível vitória escape. Foi assim o bom e disputado jogo entre Grécia e Argélia, com o aguardado e ansiado (pelos gregos, claro) primeiro gol e, consequentemente, primeira vitória da Grécia numa Copa do Mundo. A destacar a falha do goleiro grego no gol, em cobrança de falta da intermediária, da Argélia; as defesas fantásticas do goleiro argelino e, depois, sua falha bisonha no segundo gol grego. Um bom e emocionante jogo, apesar de não serem duas equipes muito técnicas.

Allez les bleus! Vamos, azuis! Esse o grito “de guerra” da torcida francesa. Vamos, sim, azuis, voltar para casa mais cedo? É o que parece, pois, mais uma vez, numa Copa, a França desanda e, até agora, não marcou nenhum gol. Destaque, no entanto, o bom e arrojado futebol do México, que não se intimidou com a fama nem com o título mundial francês: defendeu-se bem e atacou com personalidade, para fazer dois a zero, o segundo num pênalti um tanto discutível, marcado pelo juiz (um “carrinho” na área, que não machuca o adversário pra valer nem todo juiz marca, mas, na minha opinião – modesta – nesse caso, foi realmente falta e, portanto, bem marcado o pênalti). Enfim, de um lado, uma seleção – a francesa - que entrou para brilhar e nada mostrou e, do outro, os mexicanos que vieram como franco-atiradores e já estão quase classificados, com os quatro pontos obtidos.


P.S.: Até Oscar Ruiz apitou bem! Quero destacar o gol do México, contra a França: muitos assistentes teriam a tendência em levantar o braço para dar impedimento, no lançamento preciso do jogador mexicano ao atacante que entrava pela defesa, na mesma linha. Foi perfeito o “bandeirinha”. Portanto, até agora, nenhuma lambança dos árbitros.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 6

Sexto dia: 16.6.2010



HONDURAS 0x1 CHILE
ESPANHA 0x1 SUÍÇA
ÁFRICA DO SUL 0 x 3 URUGUAI



O Chile, ao lado da Alemanha, por incrível que isso possa parecer, apresentou um ótimo futebol ofensivo. Mas, ao contrário dos germânicos, não teve competência para golear a frágil Honduras, que nem se defendeu tanto assim. Foi um festival de gols perdidos pelos chilenos, numa partida bastante agradável de se ver. No entanto, nesta Copa, tem prevalecido sempre a defesa ou a Jabulani não gosta da rede: os gols têm sido muito poucos. Até agora, só o ataque alemão consegui fazer mais de dois gols e o Chile acabou de provar que não adianta colocar vários atacantes ou jogar atabalhoadamente para frente, que o futebol é decidido no meio de campo, na criatividade dos jogadores que armam e passam bem a bola.

E a zebra, finalmente, deu as caras nos campos de futebol da África. Estava lá, em seu hábitat, pastando tranquilamente, quando um cuco suíço a despertou, para tomento da Espanha. E, mais uma vez, nesta Copa, as duas linhas de defensores não só impediram grandes vitórias, mas ainda contribuíram para uma daqueles jogos em que um time só ataca e o outro só se defende, mas que, de repente, os atacantes mais descansados do time que só se defendia resolvem decidir o jogo. E assim, a Suíça, que não toma gols em Copas do Mundo há mais de oito horas de bola rolando, manteve a escrita de não tomar gol. E a Espanha, que entra em várias Copas como favorita, e não ganha nada, também manteve a sua escrita e deixa de ser favorita, depois dessa derrota.

Balanço da primeira rodada. Com esse jogo, a primeira rodada termina com um saldo de poucos gols, ou seja, de prevalência das defesas, principalmente das seleções mais limitadas, com a adoção deste tormento para todas as demais: as duas linhas de quatro defensores, na frente da área. Dentre as seleções favoritas, a única que apresentou alguma coisa que confirmasse o favoritismo foi a Alemanha. Todas as demais, mesmo as que ganharam seus jogos, tiveram grandes dificuldades, aí incluindo a Holanda (jogou só um bom primeiro tempo), a Argentina (perde muitos gols e tem uma defesa horrorosa) e Brasil (sem criatividade e sem velocidade).

E a segunda rodada começa com gols, finalmente. A África do Sul de Parreira desanda e tem sua passagem para a segunda etapa seriamente comprometida, diante de um Uruguai muito bem posicionado taticamente, apresentando um futebol convincente, bem diverso daquele contra a França, no horrível empate por zero a zero. O destaque (negativo) do jogo fica por conta da expulsão do goleiro africano, após pênalti em atacante uruguaio (o segundo da Copa, o primeiro por falta).


P.S.: O nível das arbitragens desta Copa continua muito bom, principalmente os assistentes que, até agora, não fizeram lambanças, como costumam fazer.

terça-feira, 15 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 5



Quinto dia, 15/6/2010



NOVA ZELÂNDIA 1x1 ESLOVÁQUIA
COSTA DO MARFIM 0x0 PORTUGAL
BRASIL 2x1 COREIA DO NORTE



A Eslováquia, uma seleção europeia, que tem, portanto, um futebol teoricamente superior às seleções da Oceania ou do Oriente, tirou da Nova Zelândia o possível título de pior seleção da Copa, com esse empate por um gol. A anotar, ainda, que o gol da Eslováquia ocorreu com o jogador em posição de impedimento, num erro da arbitragem. O jogo até que não foi dos piores e a emoção ficou por conta do gol da Nova Zelândia aos quarenta e sete minutos do segundo tempo. Um castigo, para a falta de criatividade do time europeu, que não soube sair da forte marcação e, depois, não teve competência para segurar o resultado.

Portugal e Costa do Marfim fizeram um jogo de táticas e cuidados, mas nem por isso menos emocionante. Portugal começou bem, com uma bola de Cristiano Ronaldo na trave, num chute de média distância. Mas ficou nisso, o craque lusitano. Só apareceu, depois, para brigar com um africano, num lance de falta que o árbitro não deu, e levar cartão amarelo. Se o primeiro tempo, teve o domínio de Portugal, embora não chegasse a ameaçar a Costa do Marfim, os africanos equilibraram o jogo e chegaram a dominar o segundo tempo. Mas as tentativas de gol de ambas as equipes esbarraram ou na falta de pontaria dos atacantes ou na destruição dos zagueiros, com poucas defesas dos goleiros. Enfim, a duas equipes que tentaram jogar futebol, esforçaram-se, erraram muitos passes, não conseguiram furar o bloqueio que ambas estabeleceram. No final, quando a Costa do Marfim sufocou Portugal nos três minutos de acréscimo, o empate acabou sendo um bom resultado para ambas, principalmente para os lusitanos, que vieram para a Copa com um time teoricamente muito bom, mas, na prática, sem criatividade, principalmente de seu melhor jogador, Cristiano Ronaldo.

Brasil estreou com vitória, mas sem empolgar. Jogou o suficiente, para romper a forte retranca da Coreia, mas ainda está muito longe de uma equipe que pretenda chegar à final. E ainda tomou um gol bobo da Coreia nos minutos finais, o que não devia acontecer pelo pouco volume de jogo dos coreanos, durante todo o jogo. Para engrenar, o time brasileiro precisa de mais velocidade, mais deslocamentos dos volantes, principalmente de Kaká, cuja volta bem abaixo de suas melhores condições não lhe permitiu brilhar. Destaque para os laterais e para Robinho, que se movimentou bastante. O gol de Maikon, num chute improvável da linha de fundo, foi um dos belos momentos de todos os jogos até agora.

P.S.: Primeira pixotada de árbitros na Copa: o gol em situação de impedimento da Eslováquia contra a Nova Zelândia.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 4

Quarto dia, 14/6/2010





HOLANDA 2x0 DINAMARCA
JAPÃO 1x0 CAMARÕES
ITÁLIA 1x 1 PARAGUAI

A Holanda começou o jogo dando a impressão de que o carrossel estava de volta. Mas isso durou pouco, porque nada produziu, além de ter levado alguns sustos, nos contra-ataques da Dinamarca, que marcava forte. No segundo tempo, beneficiada por um gol contra e por outro a favor, a Holanda venceu, sem convencer, apresentando um futebol apenas mediano, sem entusiasmar. A laranja mecânica ainda está muito verde, muito longe de ser um grande time.

Correndo mais que a bola, o Japão derrotou os camaroneses por 1 a zero, depois de repetir exaustivamente o mesmo cruzamento da direita para a área, até que a defesa africana falhou, acho que de cansaço. No mais, um jogo que teve os seguintes destaques: 1) provavelmente será o jogo mais faltoso da Copa; 2) Samuel Eto’o, de quem se esperava muito, só fez uma única jogada, talvez a mais bela até agora: acossado por três japoneses no fundo do campo, livrou-se deles e da falta e fez um cruzamento preciso que o atacante desperdiçou bisonhamente; 3) os japoneses correram tanto, que parecia que tinham 22 jogadores em campo, tanto se multiplicavam na marcação, embora nada criassem. Dois times medíocres, portanto, que mais maltrataram a Jabulani, num jogo que lembrou remotamente o futebol.

A atual campeã do mundo entrou como favorita contra o Paraguai, mas desafinou. Não é, com esse time, candidata a nada. Sofreu para empatar com um time apenas esforçado e bom marcador. Mas, como é a Itália, que às vezes começa mal, mas acaba se acertando durante a competição, não se pode jogar pedradas. Precisará mudar muito, no entanto. Vamos ver se se repete a velha tradição. Já o Paraguai, possivelmente se classificará para a segunda fase, e só. Ficará por aí, quase com certeza, embora seja um time bem arrumado taticamente.
P.S.: a arbitragem ainda não fez nenhuma bobagem até agora!

domingo, 13 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 3

Terceiro dia (13/6/2010):







ARGÉLIA 0 x 1 ESLOVÊNIA
SÉRVIA 0 x 1 GANA
ALEMANHA 4 x 0 AUSTRÁLIA


E a Jabulani aprontou de novo! A partida entre as zebras da Copa, Argélia (que tirou o lugar do Egito) e Eslovênia (que desbancou a Rússia) foi mais uma partida entre o fraco e o ruim, praticamente sonolenta. E apesar de estarem em campo duas zebras, o que acabou prevalecendo, mais uma vez, foi outro bicho, que deixou suas penas nas mãos do goleiro argelino: um frango que decretou a vitória da seleção europeia. Culpa da Jabulani? Talvez, já que andaram falando tão mal dela antes da Copa. Que se cuide o nosso Júlio César!!!

Já a partida entre Sérvia e Gana valeu pela correria entre os gigantes europeus (talvez a seleção mais alta da Copa) e os fortões africanos. Mas, mais uma vez, venceu a Jabulani, que ganhou de ambas as equipes, que erraram muitos passes e lançamentos e perderam muitos gols. Aliás, o gol da vitória de Gana ocorreu em mais uma pixotada da bola que, ao não ser alcançada pela cabeça do zagueiro sérvio, teve sua trajetória alterada por um legítimo corte de vôlei (acho que o vôlei era mesmo a vocação dos sérvios, de tanto que falaram isso nas transmissões esportivas – repetitivas, como sempre). E como mão na bola dentro da área é pênalti, o juiz não teve dúvida e ainda amarelou o meia-de-rede, digo, o zagueiro sérvio. Conclusão: festa da barulhenta e alegre torcida africana.

E, finalmente, o futebol deu as caras na África: com a relativamente jovem e renovada seleção alemã. Um espetáculo de controle do jogo, de bons passes, de belos gols e, até mesmo, de criatividade, foi o que a Alemanha apresentou contra uma Austrália esforçada, mas muito limitada. Pode estar aí uma possível seleção finalista.

P.S.: Três dias, oito jogos e, até agora, nenhum árbitro fez lambança. Pequenos erros, perdoáveis, mas nenhuma decisão de arbitragem que possa ser contestada. Milagres acontecem e esperemos que continuem acontecendo, isto é, que a FIFA finalmente tenha encontrado um bom time de árbitros.

sábado, 12 de junho de 2010

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL - 2

Segundo dia (12/6/2010):




COREIA DO SUL 2 x 0 GRÉCIA
ARGENTINA 1 x 0 NIGÉRIA
INGLATERRA 1x 1 ESTADOS UNIDOS



Destaque-se o bom jogo da Coréia do Sul, que podia ter goleado a frágil Grécia. Faltou um pouco mais de ousadia no ataque, além de competência para concluir as jogadas.

Já a Argentina começou fazendo gol aos cinco minutos do primeiro tempo e dando a – falsa – sensação de que poderia golear. Seu ataque, que na teoria é muito bom, parou nas boas defesas do goleiro Nigeriano e na falta de competência para concluir melhor a gol; a defesa, no entanto, é simplesmente horrorosa. Se a Nigéria tivesse tido um pouco mais de coragem e habilidade nos contra-ataques, teria ganhado o jogo. Com esse time, a Argentina não deve passar da segunda fase da Copa, a não ser com muita sorte. Se pegar um adversário experiente, não terá nenhuma chance.

Se a Argentina, seleção cotada para chegar à final, segundo os “especialistas”, jogou um futebol apenas razoável, a Inglaterra, por sua vez, também não convenceu. O empate com os EE.UU. demonstrou que vai precisar jogar muito mais do que isso, para pensar em alguma coisa melhor nessa Copa. Foi mais um jogo um pouco, muito pouco, acima da média, sem grandes emoções, a não ser o belo frango do Green, goleiro inglês, numa bola fácil chutada de fora da área.

Portanto, o balanço desses dois primeiros dias deixa claro que não surgiu nenhum time empolgante, nenhuma seleção que se pudesse apontar como aquela que pode vir a ser uma grande surpresa. Dois dias de jogos bastante medíocres, ao fim e ao cabo.

Mas a Copa está apenas começando.

ANOTAÇÕES DA COPA DA ÁFRICA DO SUL – 1

Primeiro dia (11/6/2010):





ÁFRICA DO SUL 1 x 1 MÉXICO
URUGUAI 0 x 0 FRANÇA


A JABULANI – bola oficial da Copa – foi bastante mal tratada nos campos da África do Sul. Salvou-se o bom jogo do time da casa, no segundo tempo. O time de Parreira, porém, ainda está bem longe do ideal. Pode até se classificar, mas não deve ir muito longe.

Já Uruguai e França protagonizaram um jogo medíocre. Os dois times jogaram mal, apanharam da bola e ficaram num justo empate sem gol. Pelo futebol apresentado, nenhum dos dois merece classificar-se nem para a segunda fase, o que abre perspectivas para os apenas medianos África do Sul e México.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

VÉSPERA DE COPA DO MUNDO



Nada é mais chato e mais repetitivo do que véspera de Copa do Mundo. É o tempo de ouvir e ler bobagens e mais bobagens na mídia. Todo mundo quer dar sua opinião, e cada um o faz como se estivesse decretando a maior verdade de todos os tempos.

Agora, a poucos dias da primeira Copa na África, não tem sido diferente. Comentaristas considerados sérios cometem impropérios e dizem asneiras. A imprensa repete mentiras ou meias verdades, sempre em busca da melhor manchete, da melhor frase, da melhor “colocação” sobre a Seleção Brasileira, sem se importar com qualquer regra de bom jornalismo.

Há poucos dias, a imprensa brasileira deu como manchete um desentendimento entre Kaká (o jogador mais badalado) e Felipe Melo: uma foto dava a impressão de que derrubado pelo lateral, o meia-atacante se recusava a aceitar as desculpas do colega. Tudo invenção da imprensa italiana. Quando vemos a sequência de imagens, percebemos claramente que Kaká levara um encontrão de Robinho e, de costas para Felipe, não percebeu que ele lhe estendia a mão. Nada mais, nada menos. No entanto, a crise e o desentendimento já estavam instalados na Seleção.

Ou seja: é preciso criar crise, é preciso inventar confusões, é preciso detonar a verdade, para serem lidos, ouvidos e vistos. E com isso, ganhar poder. Poder de quê? Poder de influenciar, de melhorar seus cachês de repórteres, de comentaristas, de analistas? Ou simples paranoia? Porque o cara não gosta do presidente da CBF, tem que falar mal de tudo o que a Seleção faz, seja um amistoso no Zimbábue, como jogo treino sem nenhum valor, seja porque não podem se aproximar dos jogadores, durante a concentração. Outro não gosta do Dunga, então tudo o que ele diz ou faz tem sempre o lado negativo: deveria o treinador ter convocado fulano ou sicrano, devia mudar o esquema, devia escalar fulano, não devia isso ou aquilo. Esmiúçam-se as entrelinhas de qualquer fala dos jogadores, para provocar escândalo: se dizem que a bola é ruim, isso vira desculpa antecipada para futuras derrotas; se concordam com a opinião do treinador, é porque são paus-mandados do Dunga, um ditador que não permite que eles tenham opinião própria. Mas, se algum jogador ousa discordar, por exemplo, da cor da meia ou diz não ter gostado da sobremesa do almoço, abrem-se manchetes e todos repetem que Dunga não tem mais o comando da Seleção e aquilo lá está uma bagunça.

Porque todo mundo sabe: numa entrevista ou numa conversa, as pessoas falam coisas inexatas, cometem gafes, dizem uma coisa com uma determinada intenção sem perceber que há duplos sentidos, ou então, por não serem articulados o suficientes, jogadores nem sempre se expressam corretamente.

Isso sempre foi assim e sempre, parece, será assim. Porque Copa do Mundo é o acontecimento mais importante do mundo do futebol, talvez do mundo do esporte, e mobiliza multidões de interessados em ganhar alguma coisa, movimenta bilhões de dólares em todo o mundo, faz a festa de todos os especuladores, nem sempre movidos por motivos patrióticos, mas, com certeza, todos eles movidos por paixões diversas não necessariamente ligadas ao mundo da bola.

Haja paciência, para esperar a bola rolar nos campos da África! E mesmo quando isso acontecer, teremos que acompanhar transmissões nem sempre muito fidedignas dos acontecimentos em campo, com os mesmos comentaristas a ver um jogo diferente daquele a que estamos assistindo. As bobagens continuarão a ser ditas, escritas e afirmadas em todos os canais de televisão, em todas as emissoras de rádio, em todas as revistas e em todos os jornais.

E, se a Seleção brasileira não ganhar a Copa – o que, para esses comentaristas, é mais do que obrigação – aguentaremos o chororô por muitos, muitos meses, como se o fim do mundo tivesse chegado.